quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Sentimento do Poema - Amândio Sousa Dantas




O Poeta Limiano Amândio Sousa Dantas vai publicar o seu 11.º livro de poemas originais, “Sentimento do Poema”.
O lançamento vai decorrer na “Taberna da Porta Vermelha”, no Largo da Freiria, em Arcozelo, Ponte de Lima, no dia 24 de Novembro de 2012, pelas 18 horas.
Serão lidos vários poemas da nova obra pelo conhecido actor, encenador e declamador, Pedro Lamares.
A apresentação do livro será feita por António Carlos Matos.

Co-Organização: “CAL – Comunidade Artística Limiana” e “Taberna da Porta Vermelha”

Cartaz: Márcio Folha.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Amândio Sousa Dantas



O Poeta Limiano Amandio Sousa Dantas Dantas vai publicar o seu 11.º livro de poemas originais, “Sentimento do Poema”.
O lançamento vai decorrer na Taberna da Porta Vermelha, no Largo da Freiria, em Arcozelo, Ponte de Lima, no dia 24 de Novembro de 2012, pelas 18 horas.
Serão lidos vários poemas da nova obra pelo conhecido actor, encenador e declamador, Pedro Lamares.
A apresentação do livro será feita por António Carlos Matos.


Co-Organização: “CAL – Comunidade Artística Limiana” e “Taberna da Porta Vermelha”
Cartaz: Márcio Folha.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Cine CAL

 
A CAL está empenhada em trazer o cinema de volta a Ponte de Lima.

Ao fim de tantos anos sem uma sala onde se possa ver cinema, numa vila que se orgulha das suas iniciativas, diversidade de grupos e equipamentos culturais, a Comunidade Artística Limiana aposta na criação de um ciclo de cinema de referência, gratuito, no centro histórico da vila.


Segundo Oscar Wilde, “a moda é algo tão intoleravelmente feio que tem de ser alterado a cada seis meses”. O cinema que queremos mostrar não é o que está na moda - é o que sobrevive ao tempo. O que foi bom e continua a ser bom. Porque emociona. Porque nos fez rir antes e nos faz rir de novo. Seja ele clássico ou contemporâneo, Europeu, Americano, Brasileiro ou Asiático. O tal cinema, tantas vezes negligenciado à sombra da máquina trituradora do cinema comercial, dos seus caprichos e padrões estéticos.


Cinema sem pipoca, mas com um copo de vinho, um chá, num espaço relaxado onde se possa, depois da sessão, conversar sobre o filme ou o que surgir. Quinzenalmente, para começar, nos domingos que antecedem as segundas de feira. No auditório da loja rural (antiga Cadeia das Mulheres), pelas 17h.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Lugar do Outeiro e arredores







Uma visita ao Lugar do Outeiro (Arcozelo) e arredores será sempre satisfatória, não apenas pela existência de belos exemplares de arquitectura popular, como pelas belas panorâmicas sobre a vila de Ponte de Lima.

terça-feira, 31 de julho de 2012

CAL STREET MARKET

"O lixo de uns é o tesouro de outros."

O CAL Street Market irá realizar-se no dia 1 de Setembro, no Campo do Arnado (Ponte de Lima), entre as 14h-02h.

É um mercado de compra, troca e venda de produtos vintage e artigos em segunda mão (roupa, livros, cd's, mobiliário, e toda a tralha em geral!). Também será permitida a venda de produtos alimentares já confeccionados, como bolos, biscoitos e salgados.

Em paralelo com o mercado haverá música, animação de rua e até uma Ipod Battle!

Participa!

Inscrições em: https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?fromEmail=true&formkey=dGZVRXBLYVowVzF0QnVyUDhCZHgzNUE6MQ

Para mais informações: cal4990@gmail.com

terça-feira, 19 de junho de 2012

Arquitectura Desaparecida em Ponte de Lima



















2010





















1950


Fotografia rara do antigo edifício que foi substituído nos anos 70 do século passado pelo actual edifício do Banco BPI (antigo Banco Borges & Irmão) que manteve na generalidade a sua implantação e volumetria original embora completamente redesenhado segundo traços mais contemporâneos.

Foto gentilmente cedida por Francisca Monteiro Martins

sexta-feira, 4 de maio de 2012

MERCADO DAS ARTES 2012

 Imagem intercalada 4



A Comunidade Artística Limiana (CAL) é uma associação cultural sem fins lucrativos
sediada na vila de Ponte de Lima. Esta entidade tem como objetivos a organização e 
promoção de eventos de natureza artística e cultural, dando especial destaque aos artistas 
locais. Criada em Março de 2010, a CAL tem vindo a realizar diversas atividades como
exposições, concertos, workshops e formações, sempre abertas à comunidade e com 
vantagens para os seus associados.
Em colaboração com a autarquia local, a Câmara Municipal de Ponte de Lima, foram 
também realizados alguns eventos bem-sucedidos, relevantes para o historial da 
associação, para os artistas locais e para comunidade. O Mercado das Artes 2010 e o 
concerto do Grupo de Fadistas Limianos, entre outros, são exemplos dessa colaboração. 
A CAL tem vindo a colaborar com outras associações locais, tanto na organização de 
atividades como na mútua promoção e divulgação.


MERCADO DAS ARTES 2012
A 3ª edição do Mercado das Artes visa dar continuidade ao evento que 
marcou a Comunidade Artística Limiana como entidade dinamizadora de atividades 
de cariz artístico e cultural. Esta iniciativa pretende ser uma forma de mostrar à 
comunidade o que está a ser feito em termos de produção artística, aproximando-a 
assim dos artistas e das diferentes vertentes da arte, umas já conhecidas, outras 
inovadoras e com pouca projeção, especialmente a nível local.
O Mercado das Artes é um evento onde a arte é apresentada ao público um 
pouco à semelhança de uma mercado tradicional, onde o objetivo é fazer o visitante 
tropeçar nas peças e quem sabe comprar alguma delas. É um ótimo espaço para a 
 troca de experiências e para a formação de novas amizades e parcerias entre os artistas 
que vão participar. Sendo essa participação livre, há um encontro de gerações em 
que os mais novos aprendem os segredos dos mais velhos e, por outro lado, estes 
tomam contacto com as novas abordagens e técnicas dos mais novos.
A venda de obras é permitida mas não é obrigatória. Na edição anterior vários 
artistas venderam obras e outros receberam encomendas para a produção de novas 
peças. Este facto funcionou como incentivo para os outros artistas menos 
experientes melhorarem o seu trabalho e voltarem a participar nesta 3ª edição. 
Além disso, fez com que os autores das obras permanecessem no local durante os 
dias da exposição de modo a poderem esclarecer os possíveis interessados, 
fazendo do mercado um sítio onde circulação de pessoas é uma constante, 
de manhã até à noite.


FICHA DE INSCRIÇÃO E REGULAMENTO

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Areal 1993 - Identidade Perdida





Arquivo: SIPA - Sistemas de Informação do Património Arquitectónico
Areal 2012


Simultaneamente perda de identidade e perda de oportunidade. A relutância de quem impõe objectivos de reduzir dezenas de lugares de estacionamento no centro histórico mas não admite reduzir uma centena de lugares no areal. Uma prova de que não podemos ser submissos ao automóvel; o automóvel vai para onde dissermos que vá, e o lugar escolhido foi o areal. Como é esteticamente reprovável foi necessário camuflá-lo, embelezar a envolvente deste estacionamento para que ele possa integrar-se harmoniosamente numa das mais belas frentes ribeirinhas do país. Para o efeito convidam-se escultores mais ou menos dotados (mais para o menos), que exaltem as lendas do passado e as expliquem figuradamente para que até uma criança de 4anos perceba o que o General Brutus gritava para a outra margem. Estátuas alusivas ao folclore e à vida no campo viram-se para os transeuntes do passeio do 25 de Abril reclamando para si a atenção ao invés da compacta massa automóvel que a poucos metros reluz. Foi necessário afastar o turista da proximidade do automóvel; um espaço verde com uma duplicação do passeio surgiu entretanto. Porém, o problema agrava-se com o estacionamento a extravasar pelos arcos da ponte medieval e o rio ao longe e pouco convidativo. O turista rendido, apercebe-se que não conseguirá levar na sua máquina fotográfica uma foto decente do monumento-mor da vila sem que alguma auto-caravana lhe estrague o enquadramento. As margens do rio precisam de ser limpas da vegetação selvagem causada pela má qualidade das águas e um açude mal projectado umas décadas antes. Mas sendo este espaço um areal, entre o verde e a areia, obviamente optemos pelo verde, até porque não é auto-sustentável e até precisa de uma manutenção regular de adubos e sistemas de rega. 
Agora que perdeu-se a oportunidade de uma praia fluvial devidamente qualificada e invejada por qualquer terra do interior (como já aconteceu) talvez esteja na hora de pensarmos em seguir os passos de Mangualde e construir uma praia artificial num local bem longínquo do rio. Olhando para trás, o pontelimense dirá que tinha um tesouro que nenhuma localidade tinha, um extenso, limpo e luminoso areal, local privilegiado de lazer em qualquer cidade balnear, mas neste caso, no interior do país. Como a emenda foi pior que o soneto, temo que a história não seja branda com este assassinato paisagístico num mundo onde os valores culturais e identitários deveriam sobrepor-se a qualquer sonho ou capricho pessoal. Ponte de Lima bastião dos valores patrimoniais e ambientais?

sexta-feira, 30 de março de 2012

Paço do Marquês 1962






Trabalhos de demolição e reconstrução do trecho de muralha
adjacente ao Paço do Marquês
Fotos de 1962

Arquivo: SIPA "Sistema Informação para o Património Arquitectónico"

sexta-feira, 23 de março de 2012

Casa Pimenta/Fábrica de Guarda-sóis "A Limarense"






Casa Pimenta/Fábrica de Guarda-Sóis "A Limarense /Bazar Bento Soares

Fotos de 1951 e 1964
Arquivo: SIPA "Sistema Informação para o Património Arquitectónico"

segunda-feira, 12 de março de 2012

CAL

Link
Actualização do site online da Comunidade Artística Limiana.
Um sítio a acompanhar atentamente.
Aproveite e faça-se sócio!

cal.pontedelima.com



domingo, 4 de março de 2012

João Lau



pontedelima.com

Pontedelima.com


O prometido é devido e em pleno dia 4 de Março, dia de Ponte de Lima, a já muito aguardada plataforma online Pontedelima.com entrou em funcionamento. Um projecto inovador e um forte sinal do empreendedorismo de jovens limianos, neste caso mérito de Marco Araújo que soube congregar neste projecto o que de melhor se faz por terras limianas. Um projecto acarinhar e seguir com atenção. Pela primeira visita posso dizer que marcará a diferença!


quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Estudo de Revitalização da Praia Fluvial de Ponte de Lima






ESTUDO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAIA FLUVIAL DE PONTE DE LIMA

A necessidade de uma zona de praia fluvial devidamente qualificada constitui uma necessidade urgente e oportuna não só como pólo de dinamização turística mas também como foco de lazer nos meses de verão. A gradual deterioração das margens do Rio Lima através da proliferação de vegetação e consequente desaparecimento de areia fluvial de qualidade ditou o fim do maior foco de lazer para os jovens limianos na época balnear.
No entanto, assistimos nestes últimos anos à deslocação da praia fluvial da zona do Arnado para a zona a jusante do açude, além da Ponte Nossa Senhora da Guia.
Neste local, devido à renovação eficaz da água através do açude, assim como a existência de uma bolsa de areia considerável, tem propiciado alguma deslocação de banhistas.
Este estudo para a revitalização da praia fluvial de Ponte de Lima alia-se à necessidade de reconstrução do açude de forma a permitir descargas regulares que permitam evitar a sedimentação de detritos no rio Lima mas também a necessidade de dotar o clube náutico de Ponte de Lima de condições de excelência à pratica deste desporto embaixador.
PROPOSTA
O projecto tem como “coluna vertebral” o aproveitamento da reconstrução do açude como ponte pedonal que permita fechar um circuito circulatório entre as duas margens complementada pela ponte medieval.
Esta ponte, de desenho elegante e procurando usufruir de uma proximidade das pessoas com a água do rio, é complementada por dois volumes construídos nos seus limites. Construções estas que serão potenciadas pelo fluxo desta ponte pedonal.
Do lado Sul, rematando o eixo da Avenida dos Plátanos, propomos a criação de um restaurante/casa de chá com esplanada a poente , sobre a cascata proporcionada pelo açude e com vista para a praia fluvial na outra margem. Este volume contém casas de banho públicas e local para estacionamento de bicicletas, encarado como ponto de descanso da ecovia que tem inicio no local. A cobertura do restaurante poderá ser utilizado como miradouro sobre o Rio Lima. É uma construção que é encarada como uma estrutura leve, em balanço sobre o rio, reforçando a sua esbelteza. O forro das fachadas em ripas de contraplacado de madeira contextualiza com a envolvente.
Na outra margem, um volume circular apresenta-se como apoio à praia fluvial. Também ligeiramente elevado ao nível das cotas de cheia, funcionará como balneários feminino/masculino e pequena loja de apoio. É uma construção que segue a mesma linha estética do restaurante assumindo como pertencendo ao mesmo conjunto. A praia fluvial será dotada de outros equipamentos como posto salva-vidas de observação.
É um equipamento que pretende ser um foco atractivo e de remate poente da vila qualificando e potenciando turisticamente. Apresenta-se como intervenção estruturante de Ponte de Lima melhorando a qualidade de vida dos seus cidadãos.
André Rocha
facebook.com/andrerocha.adi

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Rua da Matriz - 1955


Rua da Matriz no ano de 1955. Destaque para o reboco original da casa à direita e o parco comércio da rua. A actual Sapataria Nataly apresenta letreiro em forma de lâmpada difícil de decifrar a verdadeira actividade. Aceitam-se informações.

Actualização a partir de comentários de leitores:

-A Pensão Morais encontrava-se no prédio da direita e um da esquerda da rua (como ainda hoje acontece)
-Mercearia da Matriz ( Zé do Rogério) e o café Guerra (à altura propriedade de Ernesto Guerra). -Não sei se em 1955, já existia um lugar de vendas de fruta e carne de porco, de Maria do Céu Fernandes ( mãe do atual proprietário- Manuel Morais Fernandes).

Em relação à actual loja da Sapataria Nataly:
"Era a Casa Nogueira (não sei se seria essa a correta designação comercial...). Era seu proprietário Hamilton Nogueira ( tio, por afinidade, do atual proprietário do imóvel). Vendia material elétrico - lâmpadas e pouco mais- era o que havia à época, não havia ainda muitos eletrodomésticos. Agente Philips,à altura marca de grande prestígio,era também o "sponsor" do reclamo que indiciava a venda de lâmpadas da marca holandesa. Além disso, tinha um depósito de tabaco de venda por grosso."


Foto: Ordem dos Arquitectos

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Música Profana - Acústico CAL




Concerto completo da banda Música Profana na CAL - Comunidade Artística Limiana, Ponte de Lima. 30 de Dezembro de 2011

domingo, 1 de janeiro de 2012

2012

2011 caracterizou-se em Ponte de Lima por um ano aparentemente monocórdico onde os grandes protagonistas foram sobretudo as instituições de cariz cultural que, com o crescente papel do Teatro Diogo Bernardes, pretendem recuperar hábitos numa comunidade que esteve avessa à cultura durante décadas.

Associações que procuram trazer a Ponte de Lima exemplos, ainda que à nossa escala modesta, de uma determinada forma de fazer praticada noutras localidades. De destacar o papel da Susana Luciano e o seu grupo "Dupla Face" que com a sua capacidade dinamizadora e de tornar os seus sonhos em realidade conseguiu alguns dos feitos mais inéditos do ano destacando a curta-metragem "Rasgos de Solidão".

A associação Unhas do Diabo acabou de registar a marca "RUARTE- Teatro de Rua de Ponte de Lima" depois de um primeiro evento bem sucedido e com bastante margem de progressão nos que se seguirem.

A "Comunidade Artística Limiana- CAL" conseguiu manter o seu evento anual mais carismático "Mercado das Artes" com grande dificuldades e parcos recursos mas uma forte vontade e motivação de dar a Ponte de Lima mais um evento único na região.
Foram dois anos de vigorosas iniciativas de grupos de jovens que pretendem retribuir à comunidade aquilo no qual já não se reviam na política cultural e por outro lado, uma forma de se integraram de uma forma mais motivadora na sociedade. Obviamente, nem sempre esta atitude é facilmente assimilável pelos habitantes, no entanto a persistência é um valor essencial nesta prática.

De certa forma estas associações tem sido para muitos jovens limianos uma base de apoio à sua fixação na terra. Porém, isso não basta, e é com pena que vejo talentos limianos a serem obrigados a renegarem a sua terra quando poderiam ser uma mais-valia em diversas áreas num futuro próximo.


De referir outra grande instituição limiana, o Clube Náutico que tem sido uma "fábrica" de orgulho limiano e que teve em 2011 um ano de Ouro.

Leva-me a concluir que, tal como muitos municípios e sobretudo os que se perpetuam no poder, ficam demasiadamente blindados ao sangue novo e dinamizador da sua própria terra. Por ironia florescem personagens com o ego à prova de bala, bem acima do seu real valor e das suas competências.
O ano autárquico (em modo piloto-automático) ficou marcado sobretudo pelas recuperações levadas a cabo nos imóveis do Largo de Além da Ponte que irão criar uma centralidade de hospedagem interessante. O início das obras na antiga Casa da Câmara e Solar dos Barbosa Aranha. O concurso de ideias para a Sala de Espectáculos de Ponte de Lima resultou na escolha de um equipamento arquitectónicamente interessante do arquitecto Carvalho Araújo, mas de certa forma um vencedor adivinhável o que leva a questionar o valor real dos concursos de ideias em Ponte de Lima. É uma terra em que podemos admitir que nos últimos anos, em termos artísticos e de renovação dos equipamentos arquitectónicos, tem um escultor e um arquitecto que servem os desígnios do regime (e que apenas por ironia da sorte, têm qualidade).

A iniciativa Presidente Por Um Dia, um convite à cidadania vinda de políticos (e não de cidadãos) e que procurava mostrar a abertura da Câmara Municipal à intervenção dos limianos que se encontram alheados da vida pública ou preferem não intervir por alguma razão pessoal. A iniciativa parece ter sido um sucesso embora pouco frutuosa em termos de divulgação de resultados.

A crise do país e da Europa criará desafios aos jovens portugueses e limianos que acrescem aos já sentidos nos últimos anos. Ver novos mercados, trabalhar não só dentro da área em que se licenciou, ter ideias inovadoras e procurar a aceitação de 10% das pessoas contactadas será um objectivo.

Votos de um óptimo 2012 onde as dificuldades sejam uma oportunidade!

Arquitectura Desaparecida em Ponte de Lima (X)

Esta fotografia incluída na publicação de Adelino Tito de Morais "As primeiras fotografias de Ponte de Lima e Refoios) está datada com o ano de 1862 e apontada a autoria para o fotógrafo Antero de Seabra. Trata-se de uma perspectiva mais a norte da famosa fotografia de 1858 tirada a partir da Casa de Além-da-Ponte sobre a vila.

Esta fotografia acaba por não ser tão clarificadora como a mencionada anteriormente por focalizar-se a uma certa distância do casario, estando o fotógrafo preocupado em atingir a monumentalidade da ponte medieval com os seus arcos sobre o Rio Lima (facto não conseguido na fotografia de 1858).

No entanto, esta imagem revela alguns dados curiosos:

-O casario entre a Torre de S.Paulo e a Torre da Cadeia encontra-se praticamente consolidado e semelhante ao que chegou aos nossos dias com a excepção de pontuais ampliações de pisos e o rasgo da Rua Cardeal Saraiva.


-O actual Largo da Feira encontrava-se ainda com um desenho bastante irregular de casebres com saída de serviço para o Areal.

-A fotografia oferece uma visão mais transparente sobre a forma como a ponte medieval desembocava na vila, entre a denominada casa da Ponte (onde aparece a fachada sobre o tabuleiro da ponte) e a Capela de Nossa Senhora do Rosário. Esta capela tem um anexo provavelmente posterior e que apresenta-se em balanço sobre o areal com o apoio de um pilar quadrangular de dimensões generosas. Assim o anexo libertava na sua base um dos arcos mais estreitos da ponte possivelmente utilizado como passagem sobretudo em dias de feira.


-O Largo de Camões encontrava-se em fase de construção. Apenas reconhecemos o actual Prédio da Havaneza e o Prédio em gaveto do actual Café Rio Lima. Aparentemente vemos o remate dos arcos da feira que defrontavam o areal encostando-se à muralha.

-A fotografia dá uma visão sobre o Largo das Pereiras e Rua Formosa sem alterações relevantes em relação à época actual.


-Como era apanágio no séc XIX , sobretudo na pintura, em primeiro plano dava-se preferência à demonstração de certos costumes da época, neste caso a pesca desportiva, prática que tem vindo a ganhar alguns adeptos nos últimos anos.